sábado, 30 de novembro de 2013

Interesses

                      O que te incentiva a colher amizades?
                      Interessante observar o quanto as pessoas se aproximam de outras apenas para se aproveitar de determinada posição social ou poder econômico.
                      Pessoas deveriam se aproximar de outras por outros motivos como: afinidade, alegria, troca de experiências... mas o que vejo, normalmente, é uma busca por aquilo que não tem e o desejo de vivenciar isso se aproximando da pessoa que possui a característica.
                      Gente que se diz amiga de um fulano famoso, mas que nem a conhece direito, não sabe de seus defeitos e fraquezas, porém lhe dá satisfação por frequentar a casa dessa celebridade mesmo sem apreciar sua companhia.
                       Talvez por isso nossas relações são frágeis e superficiais coloca-se interesses antes de afetividade... e isso é fartamente dito em palestras de empreendedorismo como uma qualidade a ser aprimorada... e vejo muito "progresso" nisso... progresso no preconceito, progresso na amizade por vantagens, progresso na frieza de relacionamentos... Gente que se desfará de amizades e/ou familiares por eles não serem economicamente lucrativos...
                       Claro... ninguém é obrigado a gostar de outra pessoa, mas um mínimo de gentileza há de se demonstrar por qualquer ser vivo. Somente um santo pode amar o próximo... qualquer próximo... mesmo um chato....
                       E há necessidade de mais amizade... onde o caráter da pessoa conta e isso não se mede pelos metros quadrados de sua casa. Parece que as pessoas se servem de capacho esperando uma retribuição generosa daqueles a quem se humilham, porém as migalhas nem sempre são aquilo que imaginam... a frustração acontece, mas a lição... essa parece não foi aprendida.
                       Estranho como as relações se estremecem quando coisas materiais entram no contexto. Heranças desfazem laços familiares, Empréstimos desfazem amizades... é..., não deveria ser assim, afinal quanto você pagaria por risos e companhia sincera?
                       O cão nunca deveria ser o melhor amigo do homem, mas enquanto não tratarmos de igualar todas as pessoas... nossas amizades serão assim... de cima para baixo... interesses e dependências...

                                       

A Criação

                Há algum tempo já não me pergunto se Deus existe ou não. Como minha profissão é ligada à ciências é muito contraditório ficar acreditando em milagres e coisas do gênero. Porém, esses pensamentos vão e voltam... assim como a Grande Pintura de Michelângelo no topo da Capela Sistina (A Criação de Adão) onde os dedos de Deus e do Homem quase se tocam, mas fica a dúvida filosófica se quem criou Deus foi o Homem ou vice-versa ou como Voltaire disse: "Se Deus não existisse teria de ser inventado".
                Ateístas famosos como Richard Dawkins (famoso biólogo britânico autor de "Deus um delírio") afirmam que o mundo seria melhor sem religião e cita massacres originados na fé religiosa como as Cruzadas, a Inquisição e culminando com a ataque ao World Trade Center. James Randi famoso "caçador de paranormais" oferece um milhão de dólares para quem demonstrar qualquer fenômeno sobrenatural em condições científicas... nunca ninguém conseguiu. Dizem que Newton estudou a Bíblia e não encontrou nada que pudesse indicar algo de extraordinário... apenas um livro de histórias.
                Darwin acabou com a história de que o homem veio do barro, Copérnico provou que a Terra é apenas um planeta que gira ao redor de uma estrela de terceira grandeza nos arredores de uma galáxia de periferia. Somos seres sem destaque nenhum na imensidão do universo. Mesmo o Big Bang que originou tudo pode ter duas explicações para uma origem sem causa: 1) o tempo pode ser modificado pela gravidade, como a gravidade inicial era absurda, ele não existia antes da grande explosão. 2) alguns astrônomos dizem que o ciclo é normal e acontece de forma natural e matematicamente previsível.
                Porém, como tudo nesta vida, aquilo que nos parece certo esconde questões que nos fazem pensar em novas perguntas que ainda não foram feitas.
                Essas questões eu não pesquisei para saber se são verdadeiras, mas mexem com a nossa cabeça.
                Dizem que no Gênesis a Terra foi criada em 06 dias (o sétimo para descanso)... bem, como o tempo é proporcional à gravidade o primeiro dia posterior ao Big Bang teria oito mil milhões de anos (essa conta teria como base a comparação de ondas de luz reminiscentes na origem do universo com as ondas geradas pela luz na Terra... hummm... sem detalhes pela minha ignorância...) de duração. O segundo dia, com a dispersão dos átomos, teria quatro mil milhões de anos, terceiro dois mil milhões de anos, quarto mil milhões, quinto quinhentos milhões, Sexto duzentos e cinquenta milhões de anos. Coincidentemente, 15 mil milhões de anos é um cálculo muito próximo ao que a ciência atual dá para a idade do universo. No segundo dia, segundo a Bíblia, foi feito o céu e o firmamento... mesmo período em que se supõe a criação da via Láctea e do Sol (quatro mil milhões de anos). Terceiro dia: dois mil milhões de anos... criação da terra e do mar, mesmo período que se supõe o resfriamento da terra e aparecimento de água, bactérias e algas. Quarto dia (mil milhões de anos) criação dos luzeiros no céu da Terra, formação do Sol, Lua e Estrelas como as vemos hoje em dia com a atmosfera rica em oxigênio e ozônio. Quinto dia (quinhentos milhões de anos) "...Pululem as águas de uma multidão de seres vivos, e voem aves sobre a terra, debaixo do firmamento dos céus...", fósseis indicam ser essa a idade da Terra quando apareceram esses animais. Sexto dia (duzentos milhões de anos) época em que caiu um grande meteoro que extinguiu dinossauros para que houvesse a proliferação dos mamíferos que deram origem ao HOMEM.

Outra coisa intrigante... para que houvesse vida no nosso planeta o modo como foi realizada a grande explosão e a organização dos átomos, a criação do átomo de carbono que é essencial à vida como conhecemos, é de uma complexidade de coincidências que dificulta a visão de simples arranjo cósmico. Se a Terra desviasse de sua órbita por alguns metros e não houvesse a formação da Lua, o planeta seria árido como qualquer outro. Para que surgisse um ser tão complexo como o homem por simples mutação de genes é inconcebível se pensar até em milhões de anos. Seria como ganhar uma mega-sena cósmica anualmente.

Talvez estejamos pensando o Universo de forma errada... se olharmos um cão ou gato e dissecarmos seus órgãos, analisarmos seu cérebro, estudarmos seu comportamento, detalharmos sua árvore genealógica... mesmo assim, não estaremos a definir quem é o MEU CÃO... assim como você pode desmontar um televisor e não saberá para que serve sem as novelas, noticiários e propagandas.

A cada mistério desvendado outros dois mistérios são revelados.....

                         
                               

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Casamento

        Unir duas pessoas diferentes para um convívio diário e, ainda, terem que estabelecer relações contraditórias entre ambos, talvez seja, um dos desafios mais completos para duas pessoas atualmente.
         Antigamente os casamentos duravam mais, afinal, ao contrário do que muita gente diz: Não era o amor que mantinha a união (coisa muito rara), o que estava em jogo era a estabilidade financeira e preconceito social que havia na época, principalmente para mulheres. O casamento era uma instituição econômica, fuga da solidão, sucessão através dos filhos e status social... realidade mais materialista do que acontece nas novelas.
          Hoje em dia, com a ascensão capitalista das mulheres, rompeu-se a dependência material que o homem exercia... e aí, meu caro... a coisa complicou bastante, e muito mais para o sexo masculino.
          Atualmente o "marido" tem que ser: melhor amigo, confidente, amante apaixonado... requisitos não essenciais há algumas décadas atrás; além de ser economicamente destacado... coisa que nunca se alterou, pois as mulheres desejam segurança e providência como na época das cavernas.
          O homem deve oferecer as necessidades de um vilarejo inteiro, tipo: Admiração e Senso de humor, Mistério e Identidade, Limite e Liberdade, Segurança e Popularidade, Surpresa e Continuidade, Conforto e Aventura... ser o Yin e Yang... dividir tarefas, dar carinho e compreensão, educar os filhos... acabou-se o senhorio da casa que provinha apenas o sustento e era tratado como rei.
           Com exigências impossíveis de ambos os lados é de se esperar a quantidade de separações e indivíduos, de ambos os sexos, solitários e sem vontade de se relacionar.
           Mas tudo isso pode ser contornado. Se houver respeito, amizade, confiança (esses uma vez quebrado não se conserta) ... as diferenças entre sexos podem ser minimizadas. O maior problema seria o trinômio AMOR, DESEJO e ROTINA.
           Como reativar a chama dos namoros da adolescência?
           Como desejar algo que já se tem?
           Bem... a atração pode ser reacendida nas seguintes situações:
            1) No reencontro (a saudade é um poderoso afrodisíaco).
            2) Olhar o(a) parceiro(a) nas atividades onde ele(a) se destaca, onde ele(a) está segura de si e essa visão deve ser a uma certa distância. Deve ser enxergado como alguém independente.
            3) Desejo é o contrário da necessidade da pessoa. Ela não precisa de mim e nem eu preciso dela. Apenas desejo a aproximação e, se ela se der, a felicidade acompanha.
            4) Novidade. Mudanças de atitude, atividades diferentes podem gerar admiração.
            5) Ciúme: essa pode ser uma arma perigosa. Também é um poderoso afrodisíaco, porém é ilusório nas suas intenções e objetivos... o feitiço pode se voltar contra o feiticeiro e ter um final desastroso.
         
            Os cães são campeões em demonstrar o desejo de nos ver... precisamos aprender mais com eles e mudar o conceito de "marido cachorro", pois esse ao meu ver parece o ideal feminino.

                   

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Os Sete Pecados Capitais

                Os Pecados Capitais são, segundo a Igreja Católica, os pecados merecedores de punição e condenação.
                Antigamente eram temidos e severamente controlados para evitar constrangimento na hora da confissão, afinal eram pecados que necessitavam de sacramento para o perdão. São eles:
                1) Gula
                2) Avareza
                3) Luxúria
                4) Ira
                5) Inveja
                6) Preguiça
                7) Vaidade
                Hoje em dia, os pecados capitais viraram uma espécie de virtude humana, reflexo da competitividade e distorção de valores morais que vivenciamos cotidianamente. Explico melhor:
                Segundo Leandro Karnal (historiador), os pecados capitais foram reinterpretados para que não houvesse culpa e pudéssemos praticá-los como se fossem qualidades ou, pelo menos, algo benéfico para nossa sobrevivência. Por exemplo:
                1) A Gula: é só ver as propagandas de "fast-food" que existem por aí. Se você não comeu em determinado restaurante você está desatualizado, não é "fashion". "Comemos para evitar ficar bulimia, anorexia e caquexia das modelos", "Come para você ficar fortinho"...
                2) Avareza: virou sinônimo de precavido. Acumular riquezas dá status. Não sou avarento sou poupador... estou me precavendo para o futuro.
                3) Luxúria: entre os homens principalmente, quanto mais mulheres levou para a cama, mais "status" ele tem. Entre as mulheres, danças como funk, axé, samba, obrigatoriamente devem ter passos simulando um coito. Lingeries provocantes, brinquedinhos eróticos... tudo para "apimentar" a relação.
                4) Ira: ser manso virou sinônimo de fraqueza. No trânsito gritar, buzinar e brigar são aceitáveis e vistos como qualidades de um bom motorista. Existem aqueles que procuram uma desculpa científica para não guardar rancor: - "Dá câncer..." o que é uma falácea sem tamanho.
                5) Inveja: esse é um pecado que não conseguiram disfarçar com objetividade. Ninguém diz: - "Sou uma pessoa invejosa!" impunemente. No máximo transformaram a cobiça, que é a vontade de ter algo que outro possui e tentar adquiri-lo, em inveja branca ou inveja boa. A inveja é o sentimento de dor pela pessoa possuir algo que não temos. De qualquer forma a inveja foi transformada em força para adquirir bens que a mídia transforma em sinônimo de felicidade.
                 6) Preguiça: - Como é bom dormir.... vou dormir o dia inteiro... quero férias... vou matar aula... são frases rotineiras. "Todos devemos desestressar".
                 7) Vaidade: ou orgulho. Frases como: "Você deve se amar", "Tenha orgulho de si mesmo", "Você é a pessoa mais importante da sua vida"... viraram mote de sucesso e empreendedorismo. "Devemos louvar a nós mesmos".
                 Cães e Gatos também pecam... quem nunca viu o cachorro não deixar ninguém mexer em seu brinquedinho, comer um churrasco até não aguentar mais, perseguir a fêmea no cio e até transar com o travesseiro... e quem nunca viu um gato dormir o dia inteiro relaxando enquanto toma sol??
                 Realmente, o pecado talvez não exista...

                             

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

A arte de pedir


        Costumo sempre assistir à palestras do TED (Technology, Entertainment, Design) são divertidas e muito interessantes. Outro dia, vendo um desses videos, deparei com um que, aparentemente, não tinha nada a ver comigo: uma cantora que ganhava dinheiro se fazendo de estátua viva.
         Como a sinceridade e humildade me cativam sempre, me deixei levar pela sua oratória divertida. A certa altura, descrevendo sua dificuldade para ganhar o sustento com a música e, vendo seus sonhos escaparem das mãos com a recusa da regravação de seu CD, me chamou a atenção a criatividade e despojamento que deram certo para ela.
          Amanda Palmer (esse é o nome da artísta), depois de um show foi abordada por um rapaz que lhe deu 10 dólares. Surpresa ela lhe perguntou por quê de uma oferta tão generosa... e o rapaz explicou-lhe que havia feito um download de seu CD através do computador do amigo que havia comprado.
          À partir daquele momento, Amanda Palmer tem deixado suas músicas com acesso gratuíto pela internet e recebido uma receita suficiente para viver de sua música e pagar seus colaboradores, simplesmente PEDINDO dinheiro para seus fãs... como fazia na época que era estátua-viva.
          Agora vejo meus cães olhando para o que estou comendo e sei que pedir não é vergonha... principalmente, se você sabe pedir.

Link para a palestra: http://www.ted.com/talks/lang/pt-br/amanda_palmer_the_art_of_asking.html

                            

Escolhas

       Dizem que nosso livre-arbítrio não existe..... Cientistas dizem que nosso cérebro decide o que fazer antes que tenhamos consciência disso (ver Benjamin Libet). Nietzsche também dizia que, se Deus é todo-poderoso, conhece o passado e o futuro, então nosso destino já está traçado, não há espaço para escolhas, além do que expôs a teoria do eterno retorno.
       O Budismo também diz que a vida é uma ilusão de nascimento, sofrimento e morte... a Samsara ou Roda da vida. Então tudo nasce, vive e morre... um inseto é assim, nós somos assim e o Universo é assim... vivemos num ciclo sem fim... e realmente, a ciência começa a provar que isso se confirma: o Universo nasceu de um Big Bang e teorias dissertam que vai morrer no Big Crunch (toda matéria vai se afastar e começar a se contrair novamente).
       O Demônio de Laplace diz que matematicamente tudo é previsível: se soubéssemos a posição, velocidade e direção de cada partícula do universo seríamos capazes de conhecer todo o passado e futuro, uma vez que tudo se encontra determinado.
       Porém, existe um enigma que surge nas pequeninas coisas: A teoria quântica fala de um indeterminismo no mundo atômico. É impossível determinar o comportamento de uma micropartícula (se ela se comporta como onda ou matéria) sem a presença do observador. Essa característica deu origem ao Princípio da Incerteza e à Teoria do Caos.
       Falando em caos... quem tem um gato ou cachorro em casa sabe que o "caos" que eles produzem não pode ser previsto ou calculado, né?!